quarta-feira, 25 maio 2022

Yamaha anuncia o fim da XT 660R

Yamaha anuncia o fim da XT 660R

Após 13 anos de sucesso, trail deixa de ser fabricada e abre espaço para a nova aventureira média da marca japonesa

Lançada no início de 2005 no Brasil, a XT 660R foi criada para substituir a famosa XT 600 da Yamaha, porém com visual e motor mais modernos. Uma verdadeira trail de uso misto em sua melhor forma. Rodas raiadas, aro 21 na dianteira, suspensões de longo curso e a proposta de encarar qualquer estrada. Fosse para um passeio pela cidade, uma viagem, uma aventura off-road, a “XT meia-meia-zero”, como é chamada pelos seus fãs, fazia o trabalho.

Yamaha anuncia o fim da XT 660R

Agora em 2018, 13 anos depois, a Yamaha aposenta a XT 660R no Brasil – assim como aconteceu na Europa em 2016. Embora não tenha se pronunciado oficialmente, um comunicado direcionado aos concessionários da marca agitou as redes sociais e os grupos de WhatsApp na última semana de janeiro.Comunicamos a descontinuidade da produção e o encerramento do estoque de fábrica do modelo XT 660R”, afirmava a circular administrativa. Estava decretado, então, o fim de uma era.

A “XTzona” e suas variantes, como a Ténéré XT 660Z, equipadas com o monocilíndrico de exatos 659,7 cm³ não serão mais produzidas, pois esse moto não atende às novas normas de emissão de poluentes europeias. Como muitos componentes de seu motor eram importados, a Yamaha Brasil também teve de aposentar o modelo.

Sucesso robusto

Ao longo dos 13 anos em que esteve nas lojas (2005-2017), a XT 660R foi um sucesso: 30.110 unidades foram emplacadas, segundo dados do Denatran. Uma média de 2.316 vendidas anualmente, o que lhe garantiu a liderança do segmento Maxitrail por muitos anos.

Yamaha anuncia o fim da XT 660R
XT 660R vendeu bem no Brasil: 30.110 unidades entre 2005 e 2017

Equipada com um robusto motor de um cilindro, a XT 660R trouxe diversas tecnologias modernas à época do seu lançamento, como injeção de combustível, pistão forjado e outras peças internas leves. Com refrigeração líquida, comando simples no cabeçote para controlar as quatro válvulas, o monocilíndrico produzia razoáveis 48 cavalos de potência máxima a 6.000 rpm.

Mas foi seu torque máximo de 5,95 kgf.m atingido a 5.520 giros que “conquistou” corações. Quem nunca sentiu “o soco no estômago” de um monocilíndrico de grande capacidade não sabe o que está perdendo. Basta girar o acelerador para disparar na frente dos outros carros e motos no semáforo. Ou ainda aproveitar o torque que, de acordo com os fãs, faz com que ela suba “até parede”. Pilotar a XT 660R com tranquilidade é quase impossível, a cada arrancada, uma nova emoção.

Yamaha anuncia o fim da XT 660R

Sua ciclística trail “puro-sangue” com rodas raiadas de 21 polegadas na dianteira, suspensões de longo curso, guidão largo e silhueta esguia também é outra razão para o seu sucesso. Um verdadeiro “trator” de duas rodas.

O quadro do tipo diamante, o garfo telescópico na dianteira e a balança traseira monoamortecida proporcionavam uma excelente distância livre do solo: 21 cm, o suficiente para superar obstáculos e até arriscar uma trilha mais pesada. Mas o banco a 86,5 cm do solo intimidava os mais baixinhos. O sistema de freios usava disco nas duas rodas.

Embora siga a receita clássica das trails, a XT 660R tinha um design atual e tecnologia moderna. O ar de modernidade vinha da injeção eletrônica e também do painel completamente digital, até então incomum nas motos do segmento. O bom acabamento também ajudou a XT 660R substituir com honras a sua antecessora – comandos modernos, rodas e guidão de alumínio e um pequeno parabrisa eram alguns itens que chamavam a atenção quando chegou ao mercado.

Versões

O conjunto mecânico foi tão bem-sucedido que a Yamaha produziu outras versões da XT 660. Pouco tempo após seu lançamento, serviu como base para a supermotard XT 660X, que tinha rodas de alumínio de 17 polegadas calçadas com pneus esportivos – infelizmente, a versão “X” nunca foi vendida no Brasil.

Yamaha anuncia o fim da XT 660R
Bem sucedido conjunto mecânico deu origem à outras três versões, como a Ténéré (à dir.)

Em 2008, chegou ao nosso mercado a MT-03, que usava o motor de um cilindro em um conjunto naked e urbano. Equipada com rodas aro 17 e um design ousado, essa versão, entretanto, teve vida curta: só ficou a venda por um ano.

Yamaha anuncia o fim da XT 660R
Naked MT-03 usava o mesmo motor, mas durou pouco

Apesar de sua versatilidade, a XT 660R tinha algumas limitações para viagens mais longas. Seu banco de espuma fina cansava e a autonomia do tanque de 15 litros era baixa. Com isso, a Yamaha relançou outro clássico em 2008: a XT 660Z Ténéré.

Com quadro e suspensões diferentes, a nova geração da Ténéré usava o mesmo motor de 660cc e desembarcou no Brasil em meados de 2011. Com proposta mais aventureira, oferecia conforto e autonomia com seu tanque de 23 litros. O modelo também parou de ser produzido no País em 2017.

Uma nova era de dois cilindros

Os fãs da XT encheram os posts nas mídias sociais e os grupos de discussão com críticas à aposentadoria do modelo, além de dúvidas sobre o futuro das aventureiras da Yamaha. A única certeza é que a sucessora da XT 660R e da XT 660Z Ténéré não será monocilíndrica.

Yamaha T7 - Conceito
Yamaha T7 – Conceito para a nova Ténéré 700cc – ao que tudo indica – Foto: Artur Caldeira

Embora de manutenção simples e torque abundante, os motores de um cilindro com grande capacidade têm consumo de combustível e emissão de poluentes altos para os padrões atuais. Segundo fontes ligadas à fábrica, o valor para desenvolver um monocilíndrico moderno não se justificaria. Por isso mesmo, a Yamaha já prometeu uma nova aventureira de 700cc, equipada com o mesmo motor de dois cilindros da naked MT-07.

Com 689 cm³, o bicilíndrico de 75 cv de potência e torque desde os baixos giros deve dar vida à nova Ténéré 700. Apresentada pela primeira vez no Salão de Milão 2016 como conceito, a T7, ou Ténéré 700, tem uma proposta mais aventureira, com tanque grande e controles eletrônicos. Tudo para brigar com modelos como a BMW F 800GS e a Triumph Tiger 800 que, já há alguns anos, vinham superando a linha XT 660 nas vendas.

Mas e quanto à versão trail? Infelizmente, tudo indica que não haverá uma versão trail “pura”, leve com tanque pequeno e medidas enxutas como a XT 660R, pois a Yamaha deverá investir em uma bigtrail com tecnologia e conforto para longas viagens. Mas os fãs podem ficar tranquilos que a roda de 21 polegadas e a vocação off-road deverão ser características da futura aventureira da Yamaha. Mas o monocilíndrico explosivo deverá ficar no passado.

Por Agência Infomoto

Junior Rodrigues
Junior Rodrigueshttps://tudodemotos.com.br
Um cidadão que luta para vencer. Web designer, desenvolvedor web e editor ao mesmo. Já fui radialista, publicitário e até metalúrgico metaleiro. Acabei entrando e abraçando o mundo 2 rodas por influencia do meu irmão mais velho.

Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.